Poesia de Bolso - Prefácio


Copyrigth © by José Antonio de Souza Jacob



Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta edição pode ser
utilizada ou reproduzida – em qualquer meio ou forma, seja
mecânico ou eletrônico, fotocópia, gravação e/ou similares. – nem
apropriada ou estocada em sistema de bancos de dados, sem a
expresa autorização do editor.

Poesia de Bolso


Poesias Selecionadas de José Antonio Jacob, 1950
Revisão: Maria Granzoto da Silva e José Antonio Jacob
Arte de capa e de contracapa: ArtCulturalBrasil
Jacob, José Antonio de Souza

International Standard Book Number

1ª edição cadastrada 2011

Preefixo editorial 907580


Índice para catálogo sistemático
1- Literatura brasileira B - 869



PREFÁCIO                                                         Prof . ª Ma r i a G r a nz ot o d a S i l va

Apresentar uma obra do poeta mineiro José Antonio Jacob é um desafio sem limites, haja vista a rigorosidade com que compõe seus poemas! Várias Sextilhas e Sonetos (um único alexandrino e um único hendecassílabo nesta edição. Todos os outros em versos decassílabos, incluindo as Sextilhas), estão contidos neste “Poesia de Bolso”, onde cada soneto é uma estrela de primeira grandeza a brilhar no firmamento d'alma do leitor.

Assim, tecerei breves considerações sobre este livro tão interessante, tão necessário para esta caótica fase da humanidade e tão perturbador também… É urgente ler, refletir e partilhar o que de bom ele contém. 

Atente-se ao detalhe de que, não obstante o título “Poesia de Bolso”, é um livro de bolso que lhe dá o rótulo, (ou bolsilivro; em inglês, paperback, softback, softcover ou pocket book), seu formato é pequeno, apropriado para uma leitura prática. 

Por seu tamanho reduzido, pode ser facilmente transportado para ocasiões cotidianas, como a espera em uma fila de bancos e de consultórios, em transportes públicos e similares. Os primeiros livros de bolso publicados no Brasil datam de 1933. (Fonte: Wikipédia). 

Práticos e baratos, os livros de bolso vão conquistando o mercado. Apresentam-se como uma ótima forma de conhecer novos autores, mergulhar em clássicos da literatura e presentear amigos. 

Os livros de bolso ganharam prestígio no mercado editorial brasileiro, sendo agora mais enriquecido com esta edição do poeta José Antonio Jacob. 

O setor tem se revelado tão promissor, que cada vez mais editoras apostam nele. Um determinado grupo lançou, em 2007, 24 títulos de seu mais novo selo, a BestBolso, focado exclusivamente na distribuição de livros do tipo. Sobre o autor, basta ler sua biografia e saberemos que ele é um verdadeiro humanista, um cidadão simples e culto, preocupado com as pequenas-grandes "coisas" desta vida e deste nosso mundo tão carente de princípios e de valores, bem como de verdadeiras e eficazes intervenções altruístas por quem de direito. O que seria deste nosso amado país sem homens como José Antonio Jacob, que nos apresenta "os fantasmas" que vivem a lhe apoquentar? E quem negaria que a nós também? 

Esta nova edição de José Antonio Jacob não se limita apenas à mudança do projeto gráfico. Ela facilita que você leia aonde quer que esteja e, como disse Érico Veríssimo, “... devemos defender-nos de toda a palavra, toda a linguagem que nos desfigure o mundo, que nos separe das criaturas humanas, que nos afaste das razões da vida." E eu acrescento: que nos aproxime das disposições constantes do espírito; que nos incline à prática do bem e dos bons livros, especialmente da literatura poética a exemplo deste! É um livro assumidamente eclético que evoca um pouco do holismo da nossa vida e deste nosso conturbado mundo. Existe aqui reflexão filosófica, política, ética, religiosa, esotérica, social, estética… ideias originais, outras recriadas a partir da leitura de mundo que dele fazemos e fizermos!

Há coisas e fatos que não são mais vistos, bonequinhos, bolas de gude, bolhas de sabão. O rompimento do silêncio. Hoje, falta silêncio que interrompa os ruídos! Bebedeira auricular só percebe a mesmice. Afetividade, relacionamentos, família, amor, valores sociais, a vida e suas transformações. Traduz, através da palavra, o universo. Compreender um pouco de nós mesmos. Importa a introspecção. Brasil: uma das maiores unidades geográficas do mundo, mas não é um continente cultural! Profundamente integrada à vida (des) humana. E isso nos faz (ia) tamanha falta! 

É inquietante o arranjo harmônico das palavras empregadas por Jacob. Ele as escolhe de modo preciso em função de seus valores semânticos (denotativos e, especialmente, conotativos), métricos e sonoros. Um escritor perfeito, de ritmo rigoroso em sua arte de compor, quer seja quanto à métrica, aliteração ou coesão entre forma e conteúdo.

"Ouvi, Senhores, que eu nasci aqui
E quem nasceu aqui, como eu nasci,
Neste abençoado solo brasileiro,

 ( In Filhos de Minas, Almas Raras, 2007 )


Ilustra a assertiva este último terceto de “Revelação”

“Espiai essas estrelas tão banais...
Tantos mundos distantes revelados,
Mas que aos olhos dos homens são iguais!”

Poesia de Bolso é uma obra com uma característica muito especial - a de aproximar o leitor do mundo da poesia, às vezes considerado falsamente difícil, mas na verdade aberto a todos que queiram experimentar seus prazeres, sem limites de idade!

Maria Granzoto da Silva
Professora de Literatura Brasileira, Escritora e Poetisa
Arapongas - Paraná.




  APRECIAÇÃO


POESIA DE BOLSO
SONETOS & SEXTILHAS

O que dizer da poesia de José Antônio Jacob?
Ele faz malabarismo com as palavras, que ora arremessadas com a força e a precisão da flecha... produzem frases que dançam, que cantam, que emocionam.

Em ritmo de ballet sincronizado, plasmam imagens de sonhos, sussurram aos nossos ouvidos. De violino solista, virtuosas melodias produzem. 

E a sua primorosa habilidade com as palavras esculpe primas-obras, produz formas concretas, abstratas, expressionistas. 

É o Michelângelo das letras, é mineiro, é brasileiro!

Massato Ito
Artista Plástico, Escritor e Poeta
Araçatuba - SP



POESIA DE BOLSO  páginas           3/4/5/6                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                 




POESIA DE BOLSO
ÍNDICE


Sonetos

7/ Desenho (Comentado)
8/ Sonho de Papel (Comentado)
9/ Florzinha (Comentado)
10/ Impulsão (Comentado)
11/ Bolhas de Sabão (Comentado)
12/ Fim de Jornada (Comentado)
13/ Amor -Próprio Ferido
14/ A Dança dos Pares Perdidos
15/ Afronta Impiedosa (Comentado)
16/ Almas Primaverais
17/ Casinha de Boneca
18/ Nós Somos Para Sempre
19/ Sonhando (Comentado)
20/ Faltas e Demoras
21/ Velho Órfão
22/ Silêncio em Casa
23/ Quanto Tempo nos Resta? (Comentado)
24/ Enigma
25/ Despercebimento
26/ Porta-retratos
27/ Roseiras Dolorosas
28/ Sonho Quebrado
29/ O Espelho
30/ O Palhaço (Comentado)
31/ Varal de Luzes
32/ História sem Final
33/ O Beijo de Jesus (Comentado)
34/ Musa do Ano Novo
35/ Natal dos meus Sonhos (Comentado)
36/ O Ano Bom do Bom Fantasma
37/ Domingo em Casa
38/39/ Elogio à dor do Desamor I e II
40/ Almas sem Flores
41/ Crença
42/ Além da Porta
43/ Alminha
44/ Carretéis
45/ Os Afogados
46/ Jardim sem Flores (Comentado)
47/ Mudança
48/ O Vira-lata (Comentado)
49/ Revelação
50/ O Vendedor de Bonequinhos
51/ Repouso no Sítio (Comentado)
52/ Tédio
53/ Crepúsculo de uma Árvore
54/ Noite Fria
55/ Oração do Descrente
56/ Não Despertes Sonhos Nos Meus Dias
57/ Falsidade
58/ Renascer
59/ Poodle
60/ Prisioneiro
61/ A Mãe e a Roseira
62/ A Saudade Sempre Pede Mais
63/ Sublimação (Comentado)
64/ Solidão (Comentado)
65/ Esperança Morta
66/ A Aurora da Velhice
67/ Mãos nos Bolsos
68/ Figurinhas
69/ História Boa
70/ Soneto para o Poeta Triste
71/ Minha Senhora
72/ Soneto de Natal
73/ O Pai e a Terra
74/ Minha Mãezinha
75/ Brinquedo
76/ Alegoria
77/ Almas Raras
78/ Angústia
79/ As Formigas
80/ Velhice Feliz
81/ Na Poltrona
82/ Oração do Dia dos Pais
83/ Ócio e Solidão
84/ A Prece do Capuchinho
85/ Último Delírio
86/ Canção do Rio
87/ O Verso Único
88/ Páscoa
89/ De Volta aos Quintais
90/ Amada Sombra que Persigo
91/ Eu Creio Sim!
92/ Coelhinho da Páscoa
93 Restou uma Poesia
94/ Meu Presépio

Quadra
95/ Veritas (Comentado)

Sextilhas
96/ Delírios de Maio (Comentado)
100/101/ Passeio na Cidade
102/ Natal na Rua da Miséria (Comentado)
104/105/ Uma Temporada na Roça
106/ O Fantasma que mora em meu Sofá
108/ Filhos de Minas





 
ESPECIAIS JOSÉ ANTONIO JACOB



PPS Clique no seu Poeta
(Magnífica declamação do artista português José Bento)

O Sono de Pensar
(Poema em versos livres)

Site Cenário de Sentimentos

AVSPE José Antonio Jacob
Homenagem da poetisa Tere Penhabe
(Acróstico Poético)
(Apresentação de Maria Granzoto da Silva)

Resposta ao Passado
(Especial ArtCulturalBrasil)

Mémória de Bibelô
(especial ArtCulturalBrasil)

Além da Porta
(Vídeo de Dorival Campanelle)

Noite no Bar


TRAILER JOSÉ ANTONIO JACOB

Trailer 1

Poesia de Bolso - Ed. ArtCulturalBrasil/2011



Voltar
ÍNDICE
                                                                                                        

VISITE
http://artculturalbrasil.blogspot.com/